quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Eu recomendo a Leitura


"[...] Quem não Lê, Vê mas não enxerga [...]"
Es aqui uma Ótima dica de Livros que podem ajudar quem quer amadurecer na Fé Cristã:

1.   A POESIA E O CAMPONÊS, autor:  Kenneth E. Bailey (estudos sobre a profundidade e importância das parábolas contadas por Jesus no livro de Lucas);

2.   A VIDA DIÁRIA NOS DIAS DE JESUS, autor: Henri Daniel-Rops (nessa obra você aprenderá como era o ambiente, o costume e a cultura que constituía o dia-a-dia do Filho do Homem, além dessas informações, uma riqueza de detalhes sobre os contextos geográfico, social e político da Palestina no alvorecer do cristianismo);

3.   VIVENDO COM PROPÓSITOS, autor: Ed René Kivitz (uma resposta cristã ao sentido da vida);

4.   O LIVRO MAIS MAL-HUMORADO DA BÍBLIA, autor: Ed René Kivitz (nessa abra o autor irá discutir as questões levantadas no livro de Eclesiastes, como a busca de um sentido para viver);

5.   A CRUZ DE CRISTO, autor:  John Stott (o autor explica o significado da cruz de Cristo e o motivo porque Cristo precisou morrer);

6.   O DISCÍPULO RADICAL, autor: John Stott (a obra apresenta oito características do discipulado cristão que são comumente esquecidas, mas ainda precisam ser levadas a sério: inconformismo, semelhança com Cristo, maturidade, cuidado com a criação, simplicidade, equilíbrio, dependência e morte);

7.   SEGUIR A JESUS: O MAIS FASCINANTE PROJETO DE VIDA, autor: Caio Fábio D’Araújo Filho (nessa obra você vai poder conhece um pouco melhor a Jesus e ser constantemente desafiado a segui-lo, o que implica em questionar nossas próprias imagens e pré-concepções de Cristo e, não raro, o nosso próprio cristianismo, vendo-o transformar-se de religião nominal num fascinante projeto de vida);

8.   O JESUS QUE EU NUNCA CONHECI, autor: Philip Yancey (a obra apresenta uma perspectiva nova e diferenciada da vida e da obra de Cristo - seus ensinos, seus milagres, sua morte e ressurreição -, além de mostrar o mais importante: quem era e a que veio. Relacionando os acontecimentos do evangelho com o mundo em que hoje vivemos);

9.   CONVITE À LOUCURA, autor: Brennan Manning (o autor denuncia a futilidade do discurso do qual a igreja cristã se apropriou, marcado pela preponderância das estruturas sobre o despojamento; pela tolerância aos imperativos do capital e ao desprezo pelos simples de coração; pelo abandono da aparente insanidade proposta pelo Mestre em nome de uma suposta “razão” maculada pela veleidade de mestres dos próprios interesses, pregadores de uma fé barata e utilitária);
10. FOME POR DEUS, autor: John Piper (o autor trata sobre a fome e anseio por Deus, que é mais importante do que qualquer outro desejo, e a satisfação total no Senhor).

Lembre-se livro algum substitui a inefável Palavra de Deus (Bíblia Sagrada)

Jonas Lima da Silva
Santana -AP, 12/12/2012


terça-feira, 16 de outubro de 2012

Sou um Herege


Com gratidão declaro: − Eu sou um Herege. Poucos sabem que a palavra heresia vem do grego haíresis, seu significado literal é escolha. Heresia é como chamamos algo que NÃO deveria ser escolhido como algo a dizer. Herege, portanto, é quem faz a escolha que, mesmo podendo ser feita, NÃO deveria.
A maioria das pessoas sempre pensam conforme os atores hegemônicos seja ele econômico, político, religioso, cultural, filosófico, entre outros ramos do saber. E quem ousa questionar sofre oposição de tais atores.
A história da humanidade  é marcada por atrocidades, e a mola propulsora disso chamasse: INTOLERÂNCIA!
Fica a pergunta: − Minha escolha de dizer algo que não deveria ser dito pode ser visto como intolerância também?
A resposta é não, pois o Herege não persegue ninguém por causa de suas escolhas.
Quem é perseguido, aprende a não perseguir.
Quem é julgado, aprende a não julgar.
Quem é odiado, aprende que a única forma de ser feliz é amando.
Quem é rejeitado, aprende a acolher.
(...)
A lógica hegemônica é antitética a essa lógica do Herege. Fiz a minha escolha de ser um Herege. Pois o Herege avista o horizonte, aspirar por dias melhores para toda a humanidade.
Seja um Herege você também!
Eu fico por aqui disseminando minhas heresias,
Um abraço, e Paz para tod@s.
Jonas Lima da Silva,
Santana – AP, 16 de outubro de 2012

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Único Incomparável - Pregador Luo


Único Incomparável - Pregador Luo

Cante isso para Deus
Cante isso para quem você ama
Ou melhor ainda
Cante para ambos

Sem você meu mundo é triste
Sem você minh'alma desiste
Sem você eu me sinto perdido no mundo de solidão
Ondo os rostos são estranhos e me dizem não
A vida muda de peso não me sinto um indefeso
Igual a um afogado que não soube nadar
Apenas dois pulmões sofrendo com faltar de ar
E onde quer que eu vá se sua voz não está
Fica estreito para mim difícil poder suportar
Sua ausência neste mundo seria um horror
Mas porque tu tá aqui que eu acredito no amor
Pra mim você é único incomparável
É porque você existe que eu não me acabo
A sua companhia é boa e agradável
Sem você a minha vida seria insuportável
Pra mim você é único incomparável

Único, único incomparável
Único, único incomparável

Sempre que eu penso que você também me ama
Minh'alma desencana e toda culpa vai embora
É por isso que meu simples coração te adora
Sempre cuidou das minhas feridas
Sempre cuidou de toda minha vida
Sempre me cercou nunca parou de me guardar
E toda vez que eu erro consegue me perdoar
Eu nunca conheci ninguém que fosse assim
Tão bom e tão gentil como você é pra mim
Nosso amor teve começo mas nunca vai ter fim
Pra mim você é único incomparável
É porque você existe que eu não me acabo
A sua companhia é boa e agradável
Sem você a minha vida seria insuportável
Pra mim você é único incomparável

Único, único incomparável
Único, único incomparável

Incomparável és pra mim
Minha historia de amor com você não tem fim
Se estou triste, doente ou cansado
Sua mão toca meu rosto e eu fico curado
Amor da minha vida meu bem inigualável
Você pra mim é tudo único incomparável
Por sua causa eu atravessei atmosfera
Por sua causa eu desci até o centro da terra
Peguei de volta a chave da vida e te devolvi
E ninguém vai apagar a chama que eu próprio acendi
Por amor, foi por amor, somente por amor
Pra mim você é único incomparável
É porque você existe que eu não me acabo
A sua companhia é boa e agradável
Sem você a minha vida seria insuportável
Pra mim você é único incomparável

Único, único incomparável
Único, único incomparável

Ouça a Canção no YouTube:

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

LIDERANÇA NÃO É PARA CRIANÇA


1. O LÍDER é sempre o primeiro a pisar o território inimigo, e o último a deixar o campo de batalhas.
2. O LÍDER não deve deixar os feridos pelo meio do caminho, mas cuidar-lhe dos ferimentos, mesmo que isso pareça comprometer o avançar da batalha.
3. O LÍDER é líder de gente, não de coisas. Ele constrói relacionamentos, não prédios, ele fica no meio do povo, não atrás da mesa. Ele é uma pessoa e não um robô. Ele é um santo, não um anjo.
4. Ele se preocupa em atacar o inimigo, e não ao outro. Pois, na guerra espiritual na qual está envolvido, ele bem sabe que seu adversário não é de carne e osso, e por isso, não aponta suas armas contra si mesmo.
5. O LÍDER não pode exigir o que não consegue ser ou fazer. Não deve impor sobre os ombros dos outros os fardos que ele mesmo não consegue carregar.
6. O LÍDER não pode aproveitar-se de sua posição para massacrar mentalidades mais fracas, para “entrar rasgando”, para estuprar a alma carente de tão perdida e já invadida pela vida ímpia.
7. O LÍDER só pode indicar o caminho a seguir. Ele não pode decidir pelo outro. Ele toma pequeninos pela mão, mas não os empurra e nem força ninguém a fazer escolhas. Ele deixa as pessoas crescerem.
8. O LÍDER não convence na marra, não usa de ameaças e persuasão, não intimida criancinhas, não é um tirano. O LÍDER é capaz de ser doce, sem ser permissivo! Não é um vovô bonachão que fica distribuindo pirulitos, mas também não é um pai tão severo quanto ausente.
9. O LÍDER não fica procurando em quem bater: não sai metendo o pé em barracas, caçando orelhas para puxar, gente para envergonhar, para expor, punir, apontar o dedo. Ele não “chuta o balde”, a não ser com os cínicos, com os que vendem religião, com os que comercializam a fé, com os desconvertidos mal-intencionados.
10. O LÍDER considera o outro superior a si mesmo, ele valoriza o “insignificante”, ele honra os anônimos, ele ama os fracos, e se esforça por não escandalizá-los. Ele se faz um igual.
11. O LÍDER é mais que um diácono, mais que um ancião, ministro ou presbítero, é mais que um auto-denominado bispo ou apóstolo. Ele é um filho amado do Pai, irmão de seus irmãos, que os serve com seus dons. Serve sem procurar ser servido.
12. O LÍDER tem convicções, mas isso não significa que não possa mudar, abrir mão, repensar. O LÍDER NÃO É INFALÍVEL! Ele não tem sempre os melhores planos e conselhos (para muitos, idéias são como crianças: As nossas são sempre melhores).
13. O LÍDER pode rever seus conceitos, admitir falhas sem ter vergonha. Ele aprende com o passado, sem ficar nele. Ele olha para o futuro, mas não vive nas nuvens das ilusões infantilizadas.
14. O LÍDER deixa os outros terem idéias também, ele não é a origem de tudo, a fonte de tudo, não possui inspiração exclusiva, discernimento permanente.
15. O LÍDER, quando fala, fala a verdade. Ele é transparente, autêntico. E quando a verdade doí, ele a fala com dor. Como quem não quisesse falar, confrontar. Ele precisa expor a verdade, mas ele não faz isso pra rachar, pra quebrar de vez.
16. O LÍDER não fica cavando pecados alheios para se divertir com eles. Ele olha primeiro para dentro de si, e sonda diariamente seu coração de crente.
17. O LÍDER não pode apedrejar ninguém, salvo exceção: os líderes que não tem pecado! Esses podem castigar, “depenar” e escarniçar os pecadores.
18. O LÍDER não pode ficar preocupado com sua reputação. Ele precisa encarar com naturalidade ser alvo de críticas e pré-julgamentos. Ele precisa saber acolher, abraçar e beijar até os que, ocultamente, não retém suas línguas afiadas.
19. O LÍDER, porém, também não é escravo de seu comportamento. Ele não é um ator. O LÍDER não precisa fazer caras e bocas. Precisa ter uma só face, sem mascaramentos. Não deve ser ora sim, ora não, de acordo com a conveniência.
20. O LÍDER não precisa ter voz de líder, roupa de líder, postura de líder, olhar de líder. O LÍDER precisa ter coração de servo, vestes brancas, joelhos flexionados e olhos de compaixão.
21. O LÍDER não precisa gritar por respeito, testar a obediência, verificar o alcance de sua autoridade. Ele não precisa apresentar títulos, ostentar currículo, berrar sua posição.
22. O LÍDER não pode “chorar suas pitangas” pelos corredores, não pode se “empanelar”, fazer bico, montar fã-clube, ser parcial, tendencioso, político.
23. O LÍDER abre mão de seus direitos, raramente se defende. Ele defende sua Causa: o Reino! Ele não se glorifica. Ele glorifica seu Rei: Jesus!
24. O LÍDER não é auto-suficiente. Não é LÍDER de si mesmo. Professor de si mesmo. Pastor de si mesmo. Fã de si mesmo! Seu lema é DEPENDÊNCIA OU MORTE!
25. O LÍDER não é um super-heroí. Ele também chora, também cansa, também tem mau-humor, dias difíceis de tristeza e solidão. Ele também precisa de ombro do irmão e do colo do Pai.
26. O LÍDER precisa aprender a descansar, a parar, dar um tempo, refletir, sossegar o coração cansado, estar à sombra, retirar-se, reciclar-se, recostar-se aos pés de Mestre.
27. Precisa saber frear-se, conter impulsões, controlar a vontade de tanto falar e pouco ouvir, a ânsia por dominar, argumentar, concluir, finalizar... colocar pontos finais. Precisa deixar uma margem de espaço para o outro caminhar sem opressão.
28. O LÍDER não ama e nem é amado por causa de seu desempenho. Ele não é um ativista, não deve se preocupar em agradar a todos, mas sempre a Deus.
29. O LÍDER busca ser fiel e não bem-sucedido. Ele sabe que obedecer é melhor que sacrificar. Líderes que não obedecem a Deus não podem ser obedecidos.
30. O LÍDER sabe que essa peleja não é café-com-leite, que a guerra (War) não é um jogo. A caminhada cristã não é de mentirinha. Sabe que a Igreja não é um tabuleiro, e as vidas não são peças de um game de estratégia.

sábado, 28 de julho de 2012

Apenas saudades



Chega sem razões aparentes,
Toma de assalto meus pensamentos,
Leva cativo meus sentimentos
Um leve sorriso submerge.

Ao lembrar nossas brincadeiras bobas,
De repente...
Abaixo a cabeça ao cogitar a triste realidade
De jamais revê-la.

Saudades...

Apenas saudades,
“Do grande amor da minha vida,
A princesa dos meus sonhos que não vejo
Faz uns dias”.

Jonas Lima
Santana-AP, 07 de julho de 2012.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Do Real ao Sonho-Real


Nos meus sonhos encontrei uma fenda para um universo paralelo, o que é apenas imaginação no mundo “real” ganha concreções. Acordo, e sinto-me estranhamente perdido, quase tudo não faz sentido.
Pessoas estranhas, gostos estranhos, sentimentos estranhos, objetivos de vida estranho (os objetivos da maioria dos seres humanos são contra a vida). Há uma estranha busca por “prazer suicida”. Aquilo que alegra a maioria é o que lhes mata.
Ainda bem que tenho meus sonhos, pois neles renovo as minhas energias para poder viver nesse estranho e louco Mundo.

Jonas Lima da Silva
Santana, 27 de junho de 2012

Um Mundo de faz de contas - Editado



Era uma vez um Mundo cheio de desigualdade, repleto de ódio, onde as pessoas não se amavam, a única coisa que importava era ser bem sucedido a qualquer custo. Contudo, havia uma pequena parcela deste Mundo que lutava por igualdade, justiça e amor, estes eram vistos como Loucos, pois o Mundo só pode ser Mundo se tiver Opressores para comandar e Oprimidos para serem comandados.
Os que eram tidos como Loucos começaram a ter êxito em sua ideologia libertária e igualitária, dia após dia mais e mais pessoas se tornavam adeptas ao movimento L.P.L. (Loucos por liberdade). Então, os poderosos e Opressores elaboraram um plano para sobrepujá-los, a primeira ação foi oferecer aos líderes do movimento cargos no Governo. Foi “dito e feito” essa proposta foi muito eficiente, pois os que assumiram os cargos no Governo se corromperam facilmente, o Dinheiro falou mais alto.
A segunda estratégia foi apenas o desdobramento da primeira, os Opressores usaram os que se corromperam para mostrar ao povo que não há ninguém que pense em ser solidário, pois quando aparece alguém assim ele está esperando apenas uma oportunidade de se dar bem. Se estiver que mentir ele vai mentir; se estiver que se corromper ele será corrupto; se estiver que matar, roubar ele fará sem pensar duas vezes. Enfim, os “Bons” só querem uma oportunidade para serem “Maus”.
Através do Poder os Opressores conseguiram desarticular o movimento e em pouco tempo foi eliminado completamente. Neste caso os Opressores não usaram a força física apenas a inteligência maquiavélica. Dizem por aí que a maioria dos líderes do movimento suicidaram-se, pois não suportariam viver mais num Mundo tão cruel e sem esperanças.
Para prevenir que outro movimento contrário ao Sistema se levantasse os Opressores, usaram uma velha e conhecida estratégia usada pelo Império Romano: a política do “Pão e Circo”. Assim o Mundo Real tornou-se o Mundo das fantasias, um Mundo de faz de contas. O povo deixou de sonhar e começou a viver de ilusões. Preferiram as milhas que caem da mesa do seu senhor do que sentar-se a mesa e comer o melhor.
Um povo anestesiado com as virtualidades engendradas pelo capitalismo prefere sobreviver a viver, pois viver é complicado demais. Viver requer humanidade, solidariedade, sinceridade, respeito, fé, esperança e amor, e são poucos que querem tais coisas.
O real é o que se vê; o que se toca; o que se cheira... Mas a maior ilusão é acreditar que somente isso é real.
Jonas Lima da Silva
Santana, 10 de novembro de 2009

segunda-feira, 2 de julho de 2012

O Deus que fala do meio do redemoinho

William Blake


“Depois disto, o Senhor, do meio de um redemoinho, respondeu a Jó...” Jó foi o homem que conheceu o poder construtivo das perdas. Perdeu tudo. Perdeu todos. Os filhos haviam morrido, seus bens roubados ou devastados pelas catástrofes que sobre ele se abateram.
Sua saúde é atingida de tal modo que ele fica por um fio: incapaz de viver e incapaz de morrer—existindo no limbo onde nem a vida e nem a morte lhe são possibilidades de alívio. Sua mulher se des-casa de sua dor. Seus servos já não o reconhecem. Sua dignidade e virtudes antes aclamadas, são agora interpretadas por quase todos como uma grande falsificação. E, por último, perde os amigos, que interpretam sua calamidade como um juízo divino sobre a sua vida. Jó ficou só. E a companhia de seus amigos acusadores se lhe tornou presença idêntica a do Acusador. Seus amigos, sem o saberem, haviam se tornado mais danosos à sua alma que Satanás.
Jó quer saber o por quê. Geme. Pede a morte. Deseja ser um aborto. Amaldiçoa o dia de seu nascimento. Denuncia a História Humana como cenário do Absurdo e da Injustiça. E, diante dos amigos, nega-se a confessar-se para além do que já dissera. Jó se permite sofrer. Jó conhece a Indisponibilidade de Deus e dos homens e começa a adoecer de um mal maior. Jó estava ficando amargurado com as interpretações homens e com o silêncio de Deus...
E no seu desespero, ele constitui Deus seu Advogado contra Deus e os homens. As vozes tanto dos juízos humanos de seus amigos quanto as dos clamores de Jó cessam apenas quando Deus “responde” a Jó do meio de um redemoinho! Sempre me perguntei por quê Deus falou a Jó do “meio de um redemoinho”. Ora, a vida de Jó estava sob total poder avassalador. Sua existência havia sido “varrida” pela força daquele diabólico “tornado” que destruíra tudo o que ele amava e havia construído.
Daí, então, a imagem ser perfeita. Era como se Deus dissesse: “Eu estou no meio de teus tormentos!” O fato mais interessante é que o “meio do redemoinho” é um lugar de paz. Hoje sabemos que no “olhinho”, no centro das tensões que formam o fenômeno do redemoinho, existe um silêncio total, uma calma absolutamente chocante, uma “causa-paz” que contraria o “efeito-catastrofe” por ele manifesto. E aqui há uma “parábola”. Isto porque o redemoinho é produto de uma relação de causa e efeito estudável no universo das leis fixas. Mas, estranhamente, existe uma “contradição” nele, pois, no meio da devastação existe um lugar oposto, um lugar de paz. E é desse “lugar” que Deus fala a Jó.
E, assim, Deus usa um fenômeno de “causa e efeito” a fim de manifestar a “não-causalidade” dos efeitos que Jó experimentava na carne. Jó era vítima de fenômenos físicos e espirituais, mas seu Deus continuava o mesmo e não havia se permitido mudar pelas tormentas que quase mataram Seu “amigo Jó”. Na maioria das vezes é no meio do redemoinho onde se encontra a maior Graça!
Nele, Caio
Fonte: http://www.caiofabio.net/conteudo.asp?codigo=02618

terça-feira, 12 de junho de 2012

Dedução - Meu Poema para o dia dos Namorados


Não acabarão nunca com o amor,
nem as rusgas,
nem a distância.
Está provado,
pensado,
verificado.
Aqui levanto solene
minha estrofe de mil dedos
e faço o juramento:
Amo
firme,
fiel
e verdadeiramente.

                                                             Vladimir Maiakovski

segunda-feira, 11 de junho de 2012

O Caminho


As incertezas da vida leva um número incontável de pessoas procurarem aqueles que “possuem” a habilidade de “prever” o futuro. Muitos cristãos sentem uma angústia desgraçada quando fazem a pergunta: ─ Qual a vontade de Deus pra minha vida?
O Rev. Caio Fábio afirma que a “vontade de Deus é de Deus e não minha (sua)” isso quer dizer que Deus deixa claro através da Bíblia o que ele requer de nós. Pois a Palavra de Deus é LUZ para nosso Caminho; a Bíblia assevera em muitas passagens que a vontade de Deus é que sejamos feitos a imagem de seu Filho Jesus.
Sendo assim nós cristãos deveríamos descansar em Deus, pois todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. E o Caminho é Jesus, a verdade é Jesus, a nossa Vida é Jesus. Portanto, tudo absolutamente tudo, que fizermos deve ser para Glorificar o nosso Deus assim como Jesus fez. O resto é conversa fiada!
Eu fico por aqui e por aí, mas sempre no Caminho.
Jonas Lima da Silva
Santana-AP, 05 de Agosto de 2011

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Minha opinião sobre o GJC



Minha opinião sobre o GJC

A atual gestão da União de Mocidade da Assembleia de Deus de Santana – AP (UMADSAN) criou no ano de 2011 o Grupo Jovem de Comunhão (GJC), com o objetivo de fortalecer a unidade dos grupos de jovens, incentivar e efetivar o discipulado, evangelizar, entre outras coisas. Uns comparam essa metodologia de trabalhar com grupos pequenos com Visão Celular, e outros, com os ditos Grupos familiares.

Particularmente eu compreendo que seja boa ideia trabalhar em grupos pequenos (células), e ao mesmo tempo, vejo essa ideia muito porosa. Outra coisa, o GJC é um método, e tudo que é metódico começa bem e depois vira uma desgraça, fica maçante, mecânico, sem alma, sem espontaneidade.

Acredito que o GJC é evanescente; no começo vai ser uma explosão! Muitas pessoas serão ajudadas, muitas pessoas terão contato com o Evangelho, e é por isso que sou a favor do GJC. Contudo, tenho que ser honesto; o GJC terá seu fim em si mesmo. Digo isso porque a história está aí para provar, durante esses dois milênios de Cristianismo o que não faltou foram métodos, e todos sucumbiram.

O que me deixa preocupado é que os movimentos que surgiram baseados em métodos foram danosos ao Evangelho, posto que cresceu significativamente o número de heresias no  bojo do Cristianismo.

Diante disso, eu confessor que não tenho nenhuma empolgação com o GJC concernente ao futuro. Sou favorável e acredito que os idealizadores do GJC criaram-no com a mais pura intenção, porém estou consciente que logo acabará e deixará saudades da sua gênese.

O que eu disse está dito! E Lembre-se é apenas uma opinião; caro leitor, seja do Evangelho e me ame, ou, seja diabo e me odeie.
Eu fico por aqui e por aí, mas sempre no Caminho,
Jonas Lima da Silva
Santana-AP, 10 de Maio de 2012

quinta-feira, 24 de maio de 2012

“É Proibido” Poema de Pablo Neruda


É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.
É proibido não rir dos problemas

Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,

Não transformar sonhos em realidade.

É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos

Não tentar compreender o que viveram juntos

Chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,

Ser gentil só para que se lembrem de você,

Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,

Ter medo da vida e de seus compromissos,

Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,

Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se

desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,

Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.

É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

Não ter um momento para quem necessita de você,

Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,

Não viver sua vida com uma atitude positiva,

Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

O CLAMOR DAS PEDRAS





O CLAMOR DAS PEDRAS¹

“Se eles se calarem, as pedras clamarão”.

        Posso estar interpretando erroneamente o sentido das palavras de Jesus. A mim, em tal fala, ele refere-se ao fato de que até “as pedras” estão clamando. Ou seja, os que deveriam estar sendo porta-vozes da verdade, se calaram. Aí Jesus vem e subverte o que entendemos por “natural” e institui pedras como gritadores dele.
        Confesso que ando meio calado (o que significa que não tenho gritado), portanto, tenho que afinar meus ouvidos ao que clamam as pedras. E o que tenho ouvido?
        Tenho ouvido uma banda de rock hardcore (nem sei se é assim mesmo que se escreve, mas é roque pesado) que toca em questões muito delicadas como a ganância humana e a hipocrisia cristã: “a sanguessuga sempre quer mais poder, dinheiro, sexo e até rock’and roll... a sanguessuga sou eu, a sanguessuga é você”; “que mundo construímos? Quem é o inimigo? Qual é a nossa religião?”.
        Tenho ouvido grupos de rap (lê-se répi) formados por jovens de periferia com pouca escolaridade, mas uma visão de mundo mais ajustada que dezenas de teses de doutorado e engajamento social muito maior do que centenas de igrejas: “Não pague pra ver, não pague pra ver, a noite pode ser boa ou acabar com você”; “Cansei, não dá mais pra esperar, acatar, sem nada falar”.
        Tenho visto um rapaz e um pequeno grupo pra lá e pra cá ensinando dança de rua (street dance, dança de b. boy, break dance, hip hop, para nós leigos são todos sinônimos de dança de rua). É um povo esquisito: roupas largas, acessórios estranhos, “jeito de malandro” mas que têm chegado em lugares onde a palavra oportunidade só faz sentido quando essa gentinha aparece. É melhor do que recuperar viciados, porque previne-se o vício. Como quantificar isso? Mas estão aí, com trinta, quarenta moleques por bairro. Quem vê? Quem apóia?
        Aí os caras vão pra encontros com hora marcada com Deus e a única descrição que podem fazer é que foi “tremendo”. Até parece refrão de axé-music: treme-treme, treme-treme. Graças a Deus, que o Deus de toda a Graça só tem um dia para nos encontrar: Hoje.
        Outros querem fazer templos para a “Glória de Deus” (como se fosse possível) e haja dinheiro, haja sorteio, haja campanha, haja coleta, haja paciência.
        Outros sentam na frente do computador e destilam veneno. Melhor “pra fora do que pra dentro” (já dizia Sua Majestade Shrek).

        Nele, que nos ama, mesmo escrevendo bobagens,

Joel.


1. Esse é um texto do meu mano Joel Lima da Silva.





quinta-feira, 17 de maio de 2012

O Evangelho da [auto]Propaganda


O Evangelho da [auto]Propaganda

          Tenho acompanhado de perto um fenômeno muito Comum-estranho no bojo da Igreja Evangélica, sobretudo, no município de Santana – AP. E que fenômeno é esse?
O fenômeno é a jactância de muitos lideres e, por conseguinte de seus liderados. Todas as atividades [eventos] que ocorrem em suas comunidades são motivos para eles se autoproclamarem os melhores, os ungidos, os tais!
Acredito que isso é tudo vaidade, são obras de recompensas imediatas, ou, como disse Jesus: – Em verdade, em verdade eu vos digo que estes já receberam a vossa recompensa. Aqueles que se jactam de suas obras, apenas delas viverão, e obras sem fé é morta, posto que fé e obras são indissociáveis.
“²³Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas, ²Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o SENHOR, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR” (Jeremias 9.23-24).
Aos evangélicos da Propaganda deixo esta palavra: ARREPENDAM-SE... É simples assim.
Eu fico por aqui e por aí, mas sempre no Caminho,
Jonas Lima da Silva,
17 de abril de 2012, Santana, AP

sexta-feira, 4 de maio de 2012

As Sete Frases de Jesus na Cruz


Gaudenzio Ferrari: Crucificação (1513)

As sete palavras de Jesus na cruz são uma coleção de sete breves frases segundo a tradição pronunciadas por Jesus durante sua crucificação. Estas frases - ou palavras, em seu sentido lato - são objeto de uma devoção especial e de meditação principalmente durante a Semana Santa, entre os Cristãos, e foram recolhidas dos Evangelhos. Sua ordem e expressão variam ligeiramente entre os diversos Evangelhos, e seu conjunto completo não é encontrado em nenhum deles.

Primeira palavra
"Pai, perdoai-os porque eles não sabem o que fazem." (Lucas, 23:34). Esta primeira frase foi dita em forma de prece para que Deus perdoasse a ignorância daqueles que o crucificavam: os soldados romanos e a multidão que o acusava. Esta prece reflete e confirma uma exortação anterior de Jesus, quando instava a seus seguidores que amassem e perdoassem seus inimigos (Mateus 5:44). Alguns manuscritos antigos omitem a menção àquela frase.

Segunda palavra
"Em verdade eu te digo que hoje estarás comigo no Paraíso." (Lucas 23:43). No momento em que Jesus é crucificado, dois ladrões também o são, e suas cruzes se erguem ladeando a de Jesus. O ladrão à sua direita reconhece sua inocência, e pede que seja lembrado quando Jesus entrar em seu Reino, e Jesus lhe responde daquela forma. A versão original nos manuscritos gregos não traz pontuação, permitindo alguma confusão de sentidos pelo possível deslocamento da prosódia, gerando a alternativa "Em verdade, eu te digo (que) hoje, estarás comigo no Paraíso". 

Terceira palavra
"Mulher, eis aí teu filho; olha aí a tua mãe." (João 19:26-27). Jesus, do alto da cruz, contempla os poucos amigos que o seguiram até o Calvário, e com aquelas palavras confia seu discípulo (cujo nome não é citado, mas crê-se que seja João) aos cuidados de sua mãe Maria, e ela a ele. 

Quarta palavra
"Eli, Eli, lama sabachthani? (Deus, meu Deus, por que me abandonaste?)" (Mateus 27:46 e Marcos 15:34). Esta frase é uma que se destaca no conjunto, por ter sido a única registrada tanto por Marcos como por Mateus, e por ter sido transmitida a nós em uma outra linguagem, o aramaico. Expressa o sentimento de total abandono experimentado por Jesus em seu sacrifício e a necessidade de enfrentar a agonia sem qualquer valimento, nem mesmo o divino, a fim de cumprir seu desígnio e realizar sua obra de salvação.

Quinta palavra
"Tenho sede". (João 19:28) Aqui fica patente a natureza humana de Jesus, não era uma reclamação ou um pedido mas uma afirmação clara de que Ele era de carne osso, tinha fome sede como todos os humanos. E é por isso que Ele se compadece nós, pois Ele conhece todas as nossas dores (Hebreus 4:14 e 15).

Sexta palavra
"Está consumado" (TETELESTAI) (João 19:30) Jesus declara que tudo o que devia ser feito foi cumprido, e é interpretada como um sinal de que a obra de salvação se tornará eficaz por intermédio de seu sacrifício em prol de todos os homens.

Sétima palavra
"Pai, em tuas mãos entrego meu espírito". (Lucas 23:46) Terminada sua agonia, Jesus se abandona aos cuidados de seu Pai e, assim fazendo, expira.